Rio-2016 descarta Búzios e banca Baía de Gunabara

Faltando menos de um ano para as Olimpíadas no Rio, a poluição das águas da Baía de Guanabara, da Lagoa Rodrigo de Freitas e da praia de Copacabana ganhou grande repercussão nas manchetes ao redor do mundo. A agência de notícias Associated Press (AP) fez uma investigação que apontou para a presença de “níveis perigosamente altos de vírus e bactérias de esgoto humano em locais de competição”, nas próprias palavras da agência.

 

A situação que mais preocupa é a das águas da Baía de Guanabara, local onde serão realizadas as provas de vela. Graças a esse quadro alarmante, vem ganhando força uma campanha para que essa competição mude para Búzios, na Região dos Lagos. Além da pressão externa de comitês olímpicos internacionais, como o comitê norte-americano, que encaminho um pedido a Federação internacional de vela para a mudança de local das provas, a própria cidade de Búzios iniciou uma campanha para sediar as competições de vela.

 

“Búzios está pronta. Temos mais de 12 mil leitos, 250 restaurantes e o principal: água limpas, mar cristalina e raias conhecidas. Estamos muito interessados”, argumentou Thomas Weber, porta voz da campanha.

 

Em resposta, o Comitê do Rio informou que sua “principal prioridade” é proteger a saúde e o bem-estar dos atletas. De acordo com o Comitê, há garantia que os atletas não serão expostos a qualquer risco de saúde, e que autoridades brasileiras vêm monitorando semanalmente a qualidade das águas cariocas onde vão ser realizadas as provas olímpicas de acordo com os parâmetros recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) também critica os estudos que foram feitos pela Universidade Feevale, em Novo Hamburgo (RS), alegando que “o Inea não reconhece para fins de balneabilidade a metodologia da Universidade de Novo Hamburgo”.

 

Fonte: matéria retirada do site do Estadão, http://esportes.estadao.com.br/noticias/jogos-olimpicos,rio-2016-descarta-buzios-e-banca-baia-de-guanabara,1735532